Crônicas de Paris

 
Última edição - 1951

Crônicas de Paris

Edição 01

Não são muitos, entre nós, os livros de viagem. A jovem escritora Maluh de Ouro Preto possui a virtude inicial de estrear em um gênero pouco visitado, e que apresenta uma grande complexidade, uma vez que essa categoria literária, sob o signo simultâneo da literatura e do jornalismo, tem os seus perigos vírgulas e um destes é a própria vídeo de vigilância do tempo, comprometendo os elementos transitórios que tão vivamente habitam nesses depoimentos de terras e coisas estrangeiras. Destas Crônicas de Paris pode dizer-se que estão isentas deste risco, e isto porque Maluh de Ouro Preto é, autenticamente, um escritor é que soube dominar inteligentemente os obstáculos do gênero de sua estreia, e firma-se no domínio de sua escolha com a segurança dos que conhecem os meandros mais sutis da arte literária. Num estilo vivo e colorido, que é um verdadeiro convite a leitura, ela transporta o leitor para a cidade de Paris, conduzindo através de suas ruas e avenidas, de suas praças e museus, de seus restaurantes e igrejas ponto e logo às primeiras páginas Malu de Ouro Preto comunica o que poderíamos chamar de “atmosfera de Paris”, isto é, esse território tanto físico como espiritual em que a mais Bela cidade do mundo se apresenta aos sentidos do viajante, com as suas canções melodiosas, suas paisagens banhadas de luz, suas ruas pitorescas, seus teatros e livrarias que testemunham o avanço incessante da inteligência europeia através dos tempos, suas casas de modas cujos ditames repercutem no mundo inteiro, os existencialistas que paralisam o trânsito, os castelos, a neve, o povo. Este livro uma fiel e movimentada imagem de Paris. Cada capítulo encerra uma surpresa, conta uma história, registra uma impressão inesquecível, comunica uma determinada reação diante de um horizonte nunca visto, e por isto mesmo apreciado dentro de uma repercussão psicológica inédita é genuína. O sortilégio da grande cidade está nestas páginas admiravelmente bem escritas e que assinalam o início de uma carreira literária começada sobre tão belos auspícios.


Nas categorias: MALUH DE OURO PRETO